Fim da Euro: Repressão 10 x Femen 0

As redes sociais que são tão aliadas e agitam ainda mais os movimentos sociais nem sempre são usadas à favor da causa. Num evento gigantesco como a Eurocopa foi determinante para que as ações do Femen fossem sufocadas pela polícia local. Abalou o sossego, sim, mas, como esperado, o futebol foi mero pano de fundo para prisões, tortura e desaparecimento de ativistas durante o evento.

Com a mídia postando álbuns sem explicar os reais motivos e os acontecimentos posteriores aos protestos, ficou fácil gostar do Femen. Garotas, em sua maioria, jovens, bonitas, de peito de fora, o único comentário possível para uma parcela (masculina) era “peitos”, “gostosa” e adjetivos do tipo. Não é recalque, entenda! Por mais que se diga que peito de fora faz perder o res(peito), nesse caso, além da nudez pura e simples e com a finalidade da exposição sensual, tem motivos maiores.

Se você ainda não entendeu,  a ideia é mobilizar, conscientizar ou pelo menos fazer pensar nos alarmantes números mundiais do turismo sexual e da exploração da prostituição feminina e infantil. Foi com esse objetivo, como eu postei aqui no dia 8 de junho,  que as integrantes do Femen foram para a porta dos estádios mostrar sua indignação contra uma parcela racista, endinheirada e ignorante que movimenta essa indústria. Só que o fato de ser frequente e incisivo, fez o grupo sofrer na pele as represálias. Durante o evento de futebol, integrantes foram presas, “sumidas” por dias sem notícias. Mesmo com o protesto ocorrido durante a final (conforme fotos abaixo), seis integrantes (incluindo a brasileira Sara Winter) continuam em poder da polícia ucraniana. A campanha maior tem sido a favor de uma das fundadoras do movimento, Oksana Makar, que também está presa e sofreu tortura conforme informa o site All Voices.

Este slideshow necessita de JavaScript.

FEMEN NAS OLÍMPIADAS E NO BRASIL

Com o destaque que conseguiu na mídia, a única brasileira até então integrante do Femen Brasil, Sara Winter, foi até a Ucrânia, participar dos protestos. Não por um acaso foi presa e continua junto com as companheiras do grupo aguardando ajuda da embaixada brasileira no país para conseguir liberdade. O protesto do Femen já teve reflexos aqui durante a Rio+20. Bom começo para saber que é possível e que tem quem esteja interessado em ser mais que um simples corpo sem roupa, mas a favor de uma causa maior.

Segundo matéria do Portal Terra, Sara informou que já tem doze mulheres  interessadas em realizar protestos na Copa do Mundo de 2014. Ainda segundo a matéria, a ativista também assegura que as próprias líderes do Femen, em 2014, devem viajar ao Brasil para participar de protestos semelhantes. “As pessoas podem não conhecer, mas o governo neglicencia. Em Maceió, Belém ou Recife, por exemplo, chegam aviões cheios de turistas com o único objetivo da prostituição com as jovens locais”, contou.

Nos próximos dias, as líderes do Femen viajam até Londres para também realizar protestos durante os Jogos Olímpicos. Já a brasileira Sara, com o fim da Eurocopa, retorna ao País após duas semanas em Kiev e ficará responsável por organizar e liderar projetos das ativistas na América Latina, além de criar uma loja virtual. Ela contará com ajuda de custo de aproximadamente R$ 1 mil mensais.

Não engrosse o caldo ralo de quem acha que algo assim não passa de “tetas”. Informe-se! Ah, a propósito, a campeã foi a Espanha. Mas, é… isso o mundo fala, refala, exalta e sabe de cor.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s