Pussy Riot: Condenação e Repercussão

A sexta-feira passada, 17, como era um tanto previsto, testemunhou a condenação da banda punk russa Pussy Riot. A sentença gerou uma série de protestos. Veja em fotos e aspas algumas delas e o novo single lançado pelo trio.

Enquanto centenas de pessoas protestam na capital russa contra a detenção das Pussy Riot a dois anos de prisão, diversas manifestações em apoio ao grupo tomaram as ruas de Barcelona (Espanha), Viena (Áustria), Berlim e Hamburgo (Alemanha), Londres (Reino Unido), Paris (França), Kiev (Ucrânia), Oslo (Noruega), São Paulo (Brasil), Nova York (Estados Unidos), Sydney (Austrália), Buenos Aires (Argentina), entre outras 55 cidades ao redor do mundo, conforme o site Free Pussy Riot.

REPERCUSSÃO EM ASPAS

Essas mulheres nunca poderiam ter sido processadas por crime de ódio e deveriam ser soltas imediatamente – Hugh Williamson, diretor da Human Rights Watch na Europa e Ásia Central

Estou muito preocupado com a condenação das três integrantes da banda Pussy Riot, que pode ser considerada apenas uma resposta desproporcional a uma expressão política – sub-secretário parlamentar de Estado do Reino Unido, Alistair Burt, em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

O julgamento foi outro exemplo das tentativas do Kremlin de desencorajar e deslegitimar a dissidência. É bem provável que seja um tiro que saia pela culatra – John Dalhuisen, diretor da Anistia Internacional para Europa e Ásia Central

A Anistia Internacional e várias outras organizações pelos direitos humanos têm sido ativos em promover e defender a liberdade de expressão artística pelo mundo inteiro. Entretanto, não há nenhuma organização global sem fins lucrativos exclusivamente representando os direitos dos artistas. O caso da Pussy Riot é um exemplo clássico de artistas perseguidos por suas opiniões e expressão. Putin deveria perdoá-las imediatamente para mostrar que ele não teme suas críticas. Casos como este fazem escárnio do judiciário da Rússia enquanto faz de artistas heróis aos olhos das pessoas. Os artistas deveriam boicotar apresentações em países que não permitem expressão livre de suas opiniões. Esta é uma razão por que o System of a Down nunca tocou na Turquia. Se não podemos usar a palavra ‘genocídio’ no palco sem ameaças ou prisões ou pior, não é um local favorável à expressão artística. Serj Tankian, vocalista do System of a Down

Eu protesto contra a condenação e sentença do Pussy Riot de pena de dois anos por uma performance de 40 segundos exaltando a opinião política delas. Ainda que eu discorde com o local ou como elas escolheram se expressar, a senteça é muito dura e, de fato, desumana. Eu convoco todos que escolhem amar em liberdade a condenar essa punição injusta. Eu provoco artistas do mundo a falar em protesto conta esse fato. Elas passarão um tempo na prisão. Eu convoco todos da Rússia a deixar as Pussy Riot livres”. – Madonna

REPERCUSSÃO EM FOTOS E VÍDEO

Além de protesto em frente ao tribunal, outros eventos locais como o das feministas no Rio de Janeiro e da Femen ganharam repercussão à parte. Umas pichando muros do Consulado, outras derrubando uma cruz com serra elétrica. Confira!

Este slideshow necessita de JavaScript.

NOVO SINGLE

Após a condenação, um novo single das Pussy Riot foi divulgado. A música “Putin Lights the Fires” foi gravada pelo jornal The Guardian. E Yekaterina Samutsevich, Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova anunciam que a guerra só está começando. Ouça!

Com informações do Opera Mundi

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s