Memória do Esporte Olímpico na Olido

Encerrando o ciclo de três exibições, o Cine Olido promove no sábado, 8 de dezembro, às 15 horas, a exibição de uma série de documentários sobre a história do Brasil e seus atletas nos jogos olímpicos. A entrada é gratuita. Veja programação.

memoriaesporte

Serão exibidos três filmes produzidos pela primeira edição do Memória do Esporte Olímpico Brasileiro . Com patrocínio da Petrobras, o projeto foi idealizado pelo Instituto de Políticas Relacionais e, além de contribuir para a criação de um acervo audiovisual sobre o esporte brasileiro, tem o objetivo de homenagear grandes nomes do esporte nacional, difundir e estimular a prática esportiva.

PROGRAMAÇÃO

15h00
“De Olaria a Helsinque – A história de um Salto”, de André Klotzel. No dia 20 de julho de 1952, nos Jogos Olímpicos de Helsinque, José Telles da Conceição alcançou a marca de 1,98m no salto em altura e conquistou uma inédita medalha de bronze, tornando-se, assim, o primeiro representante do atletismo brasileiro a subir ao pódio. Seu triunfo, porém, foi ofuscado pela conquista do ouro no salto triplo por Adhemar Ferreira da Silva. O documentário busca conceder o devido reconhecimento a esse superatleta.

“A Luta Continua – Um Documentário em 12 Rounds”, de Renata Sette Aguilar. Em 1968, o Brasil recebeu sua única medalha olímpica no boxe até hoje. O autor da façanha foi Servílio de Oliveira, ganhador do bronze. Este documentário procura desvendar o homem por trás da medalha e mostrar toda a sua emocionante saga para disputar os Jogos Olímpicos do México.

“México 1968 – A Última Olimpíada Livre”, de Ugo Giorgetti.O longa conta a história da primeira edição latino-americana das Olimpíadas, realizada no México em 1968. Trata-se de uma edição, como diz o próprio diretor, fascinante dos Jogos – e também divisora de águas. Primeiro, por ocorrer em um contexto político mundial definidor – era a época da Guerra do Vietnã, da ditadura militar no Brasil, de maio de 1968, em Paris, da invasão da Tchecoslováquia pela União Soviética e, claro, foi a última Olimpíada antes do sequestro da delegação israelense, ocorrida nos Jogos seguintes, em Munique. Além desse aspecto político, que passaria a dominar muito mais fortemente a realização dos Jogos nas edições subsequentes, também foi a última Olimpíada amadora, já que o aprimoramento e o desenvolvimento técnico, até por conta da politização do evento, avançaram sobremaneira.

.:.
SERVIÇO
MEMÓRIA DO ESPORTE OLÍMPICO
8 de dezembro, às 15h
Cine Olido, Av. São João, 471 (prox. à estação de metrô República) – acesso a cadeirantes.
Informações: 11 3397-0171 / 3331-8399
Entrada Gratuita

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s